X
Menu
X

Palavras geram cura

por Manuelle Frota
(Coordenadora nacional do Centro de Cura Rhema)

Na sua Palavra, Deus nos ensina que, se você guarda a sua boca, você guarda a sua vida. Mas quem abre muito os seus lábios traz sobre si ruínas (Provérbios 13.3). Precisamos nos atentar para o que estamos falando!

Deus considera que aquilo que falamos está nos enredando, nos enrolando (Provérbios 6.2). Muitas vezes, o que nos coloca em situações complicadas é a nossa boca. Deus considera aquilo que falamos, pois há poder nas nossas palavras e precisamos estar conscientes disso também.

Podemos vir à igreja, ouvir a Palavra, até mesmo receber a nossa cura, mas isso pode ser desfeito através de confissões erradas. Se confessarmos nossas doenças e problemas é exatamente isso que teremos. Nossas palavras não são coisas que lançamos ao vento, Deus criou o universo pela Sua Palavra. Quando confesso uma enfermidade, estou dizendo que acredito mais nos sintomas do que no que a Palavra diz.

Precisamos falar aquilo que a Palavra diz, ou podemos destruir a nossa vida, a nossa casa, por meio de confissões erradas. 

Precisamos parar de ser preguiçosos, esperando que outros façam algo por nós, quando nós precisamos abrir a nossa boca e falar em fé. A fé confessa cura, não o que o mundo está dizendo, mas o que a Palavra diz. 

Não podemos esquecer do que a Palavra de Deus diz, precisamos considerar mais a Palavra do que os meus sentimentos estão dizendo. Isso não quer dizer que problemas não vão existir. Declarar a Palavra sobre algo é dizer que a Palavra é superior a qualquer circunstância. 

Quando concordamos com um problema, ou um sintoma, estamos alimentando o problema com as nossas confissões. Quanto mais eu confesso a Palavra, mais os problemas vão perdendo força sobre as nossas vidas. 

Muitas vezes, estamos concordando com o sintoma que o diabo quer nos entregar e estamos aceitando a presença da enfermidade em nossas vidas. Ouse concordar com aquilo que Deus fala sobre você e não com as informações, as mentiras, do diabo. Não fale aquilo que o diabo quer que você fale. Precisamos entender que aquilo que Deus diz é verdade sobre nós, mesmo que não estejamos vendo. 

Podemos deixar de falar do irmão, do vizinho, para falar a Palavra sobre a nossa própria vida, essa é a melhor forma de usarmos a nossa boca. 

Agora, em setembro, acontece uma campanha contra a depressão e a síndrome do pânico. Nós, como igreja, não podemos ficar alheios com o que o mundo e até pessoas do nosso meio estão sofrendo. Nós somos a resposta, nós podemos auxiliar essas pessoas e a solução desses problemas é o que Jesus fez na cruz do calvário. Na confiança de que o Senhor está conosco, podemos entender que, quando confessamos a Palavra, eu e o Senhor estamos vendo a mesma coisa!

Os nossos sentimentos podem nos puxar para uma posição contrária ao que a Palavra diz. O sentimento de autopiedade é tudo o que o diabo quer.

A minha confissão é aquilo que me governa.

Não se trata de uma fé burra, sabemos que os problemas existem, o próprio Jesus disse que teremos aflições, mas precisamos ter bom ânimo porque Ele mesmo já venceu essas coisas por nós (João 16.33). Não podemos ceder aos sentimentos, aos sintomas, aos diagnósticos. A nossa confiança e nossa expectativa não devem estar nos médicos, mas naquilo que a Palavra diz sobre nós.  

Procuramos Deus pelos milagres e resultados que Ele pode oferecer, ou porque temos fome da Palavra?

Se eu e você tivermos interesse na Palavra, vamos conseguir manter a nossa confissão e até mesmo o que já recebemos de Deus. Não são nossos sentidos que falam aquilo que nós somos. Sentimentos não podem determinar se somos curados ou não, isso já está determinado na Palavra. Se ela diz que somos curados, nós somos!

Quando a nossa fé e expectativas estão naquilo que a Palavra diz, vamos receber, de fato, o que Deus tem para nós. 

O cristianismo é uma grande confissão na Palavra, naquilo que Deus fez e faz. Nascer de novo não é suficiente, precisamos mergulhar mais profundo na Palavra e confessar o que Deus diz sobre nós. Quando confessamos errado, estamos minando o que o próprio Deus diz ao nosso respeito. Seus pensamentos e sentimentos não vão lhe levar a lugares bons, a lugares favoráveis.

Cristianismo é confissão, dizer o que Deus diz. 

A fé tem uma voz, não vamos vencer nada calados. A fé lança sobre Deus todas as preocupações (1 Pedro 5.7). Quando recebemos alguma notícia ruim, mesmo que a nossa alma queira chorar e gritar, precisamos lançar sobre Deus todas as nossas ansiedades, porque Ele tem cuidado de nós. 

Cura não é uma promessa que vai acontecer, mas já aconteceu em Cristo. A fé lança sobre Ele, se alegra e confia. Nós, crentes, não podemos ser pessoas que puxam o outro para o lado dos sentimentos. Quando alguém chegar para nós com um problema grande e que não sabemos resolver, podemos pedir ajuda para quem pode nos ajudar. Precisamos começar a dizer a Palavra e não alimentar um sentimento de que o sintoma é algo sem solução, precisamos ser encorajados e o Centro de Cura Rhema existe para lhe ajudar com isso.  

Podemos declarar que somos participantes da natureza divina (2 Pedro 1.4). Não devemos falar, engrandecer os sintomas, mas falar do que a Bíblia diz.  A Palavra precisa estar ocupando a nossa fala. Admirar o que a Bíblia diz, não vai fazer nada por nós. Precisamos crer e falar aquilo que ela diz. Precisamos ser praticantes: crer, confessar e agir, pois isso faz a fé ser completa.

Pensamento positivo não leva ninguém a nada, precisamos crer, confessar e agir. 

*Trechos da mensagem do dia 15 de Setembro de 2019 na Escola Dominical especial de Cura

Compartilhe

Postagens Relacionadas

Manhã de cura contou com uma mensagem de fé ministrada por Manuelle Frota Mulheres que curam Tudo em comum: Esse foi o tema da nossa Conferência de Música Rhema 2018 A vontade de Deus sobre cura
Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Please type the characters of this captcha image in the input box

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada