X
Menu
X

Seja cheia de mansidão

por Jannayna Albuquerque
(Integrante da coordenação do Centro de treinamento Bíblico Rhema)

“Ora, partindo Jesus dali, retirou-se para as regiões de Tiro e Sidom. E eis que uma mulher cananéia, provinda daquelas cercania, clamava, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim, que minha filha está horrivelmente endemoninhada. Contudo ele não lhe respondeu palavra. Chegando-se, pois, a ele os seus discípulos, rogavam-lhe, dizendo: Despede-a, porque vem clamando atrás de nós. Respondeu-lhes ele: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então veio ela e, adorando-o, disse: Senhor, socorre-me.  Ele, porém, respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.   Ao que ela disse: Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã” (Mateus 15.21-28)

No período em que Jesus passou aqui na Terra, Ele teve muitas experiências ricas com mulheres e fez de propósito para que fossem registradas, porque Ele queria que isso estivesse como ensinamento para a gente mais tarde. Jesus sabia que nós iriamos precisar.

Você não vê Jesus destratando ninguém, de jeito nenhum, você não vê Jesus punindo as mulheres, colocando-as num lugar abaixo ou machucando-as, de jeito nenhum… Nesta passagem da mulher Siro-Fenícia, que não é judia, ela estava com uma filha endemoninhada e vinha gritando atrás de Jesus: “Senhor tem misericórdia de mim, minha filha está endemoninhada, me ajude”. Os discípulos chegaram junto e disseram: “Senhor resolve ai, vê o que você pode fazer, mande-a embora”. Era como se eles estivessem dizendo: “essa mulher é muito escandalosa, libera essa mulher, para não passar vergonha”.

Quando Jesus disse que não era justo tirar o pão dos filhos e dar aos cachorrinhos, usando essa passagem fora de contexto, sem entender o que Jesus queria dizer, pode parecer que Ele estava menosprezando aquela mulher, machucando, rebaixando, tratando mal. Mas quem conhece a pessoa de Jesus, sabe que não era isso que Ele estava fazendo.

Fique atenta, toda vez que você ler alguma coisa na Bíblia que pareça chocar com o caráter de Deus e do Seu Filho Jesus, tenha calma, deve ter alguma coisa que você não está entendendo. A Bíblia não vai se contradizer, nem vai machucar o caráter de Deus.

Quando eu era nova convertida, que eu li isso, eu fiquei meio: “Espera aí, Ele está chamando ela de cadela?! E disse que não vai tirar o pão dos filhos?”. Mas eu era bebê, nova convertida. Não entendia alguns contextos. Depois eu fui compreendendo o que Ele quis dizer ali. A gente precisa entender o contexto no qual Jesus disse aquilo. Se Jesus não é mal educado, Ele não estava maltratando aquela mulher, a gente sabe que não.

Então, porque Jesus usou esses termos, falou com ela dessa forma? A gente tem que lembrar que no Evangelho de João, capítulo 1, a Palavra diz que Ele veio para os seus, mas estes não o receberam. Lembra dessa passagem? Ele veio para sua linhagem. Lá em Abraão ouve uma aliança que Deus fez com sua descendência, Ele começou um povo com Abraão, depois Isaque, Jacó, José, as doze tribos e aí começou o grande povo de Israel.

Para aquele povo ali Deus tinha uma promessa, e a promessa era que o Salvador viria do meio deles. Se você começar a ler o Velho Testamento, você vai ver que Deus levantou Davi, que era um “tipo de cristo”, um precursor, de fato foi da raiz de Davi que Jesus veio. Tudo já apontava para um Cristo, depois todos os profetas, dos maiores aos menores apontavam para Ele. Então, esse resgatador de Israel viria do meio daquele povo. Não poderia vir do Egito, não poderia vir da Europa, tinha que ser alguém do meio deles.

Quando Jesus se manifestou, a prioridade dEle era cumprir aquela aliança, mesmo que fizessem muitos anos, porque Deus não esquece de uma aliança.

Na situação com a mulher Siro-Fenícia já haviam se passado milênios até a chegada de Jesus, mas quando Ele chegou, nasceu no meio dos Judeus, no meio do povo de Israel, se parecia com eles, era gente deles. Por isso a Bíblia diz que Ele veio para os seus, mas os seus não O receberam. Jesus sabia que, depois que Ele morresse, todas as pessoas que reconhecessem o sacrifício dEle iriam nascer de novo, mas naquele momento Ele tinha que priorizar o povo de Israel. Era isso que Ele estava dizendo à mulher Siro-Fenícia: “Não é justo eu pegar o pão dos filhos, da linhagem para quem eu vim, e dar para os cachorrinhos”. Ele estava fazendo menção à aliança. O cachorrinho, ou cadela, é um termo pejorativo para nós, mas não era esse o contexto que Jesus estava falando ali e nem soou dessa forma para eles. Jesus estava querendo deixar claro a prioridade de aliança que Ele tinha, que era com o povo de Israel, essa mulher não era desta descendência.

A gente sabe que nem por isso Jesus deixaria de socorrê-la, porque Ele socorreu outras pessoas que não são de Israel, e esse nem era o perfil dEle, mas eu acho que Ele estava querendo ver qual era o coração daquela mulher. Não ouso dizer que Jesus estava fazendo um teste, porque isso pode dar base para gente achar que tudo de ruim que está acontecendo em nossas vidas é Deus fazendo um teste. Um treinador, quando está treinando você para ganhar um prêmio em uma corrida, ele vai esticar você até onde ele sabe que você suporta. Não era exatamente isso o que Jesus estava fazendo, mas eu acredito que Ele estava querendo ver como ela iria se comportar e qual era sua índole, e essa é a essência que eu quero trazer para nós hoje.

A gente poderia falar de casamento, de relacionamento sexual, falar de filhos, falar de tudo o que é pertinente para as mulheres. Acredito que você deve ouvir todas essas coisas na igreja, mas o que nós vamos falar também toca todas essas áreas, porque toca você. Se toca você e o seu caráter, então todo o resto ao seu redor será abençoado.

Se você é mãe, você sabe da importância que seu filho tem para você. Essa mulher estava com uma filha endemoninhada, isso significa que esse demônio se manifestava, deveria acontecer várias vezes, deveria estar acontecendo há algum tempo. Então ela estava arrasada com aquela situação, ela queria resolver aquilo. Mesmo não sendo judia, mesmo não estando no meio do povo de Israel. Ouviu falar que Jesus resolvia a situação e correu atrás dEle. Uma mãe desesperada faz qualquer negócio.

Eu não sei você, mas eu por um filho meu, faço qualquer negócio dentro do que é permitido pela Bíblia. Às vezes se perde a noção, porque é um filho. Depois de Jesus falar que não seria justo tirar dos filhos e dar para os cachorrinhos, a mulher, que tinha uma índole boa, que tinha mansidão de coração, que não era de confusão, disse: “Mesmo assim, o que cai da mesa dos donos, os cachorrinhos ainda comem”. Pronto, Jesus amou essa resposta, Jesus disse que só por causa disto sua filha seria curada naquele momento.

Mulheres, eu acho que tem situações na sua vida e na minha que são divisoras de água e, dependendo de como você agir, vão determinar que rota sua vida vai tomar. Deus espera que a gente saiba que decisão tomar quando chegarem esses momentos. Fazer confusão para mostrar quem é que manda e que já sofreu muito e não vai se rebaixar para ninguém, pode te levar e me levar para uma desgraça.

Se você parar para pensar, essa mulher da passagem que lemos, poderia ter olhado para Jesus na hora em que ouviu aquilo e ter dito: “Você está me chamando de cadela?! Quer dizer que eu saio da minha cidade, me meto no meio da sua multidão, que só tem gente seleta, fico aqui gritando, estou com uma filha para morrer dentro de casa e você me chama de cadela?”.

Sabe o que ela poderia ter feito? Esculhambado Ele, ter armado um barraco, ter chorado para suas amigas e ter dito que naquela igreja, daquele Jesus Cristo, ela não iria mais. Amadas, eu pergunto a você, essa mulher teria saído com essa filha livre desse mal, se ela tivesse agido assim? Ela se humilhou, naquele momento, ela disse que precisava do que Ele tivesse, mesmo que fossem só as migalhas. Qualquer negocio que você tiver para mim, eu estou aqui para receber. A gente tem que entender a hora de abaixar a cabeça, a hora de curvar o pescoço, porque uma pessoa com um caráter e uma índole diferente teria perdido. Jesus queria apurar que coração aquela mulher tinha, tanto que na hora que ela falou daquele jeito, Ele admirou a fé dela, Ele a elogiou na mesma hora .

Quando nosso histórico é de ter sido muito machucado ao longo da vida, a gente desenvolve determinadas defesas e, essas defesas, se desenvolvem de formas diferentes, de acordo com a personalidade de cada uma, mas todo mundo se defende e isso é natural do ser humano. Algumas mulheres desenvolvem esse trauma que eu acabei de falar: “ninguém me pisa mais”. Aí um marido, um filho, um líder de departamento exige de você algo contrário ao que você está querendo, você acaba acionando esse gatilho de defesa.

Às vezes foi uma mãe dominadora, foi um pai que bateu demais, foi ter crescido num lugar onde ninguém a respeitava, ninguém a amava, você não era tida como boa o suficiente, sei lá… E aí qualquer coisa que pareça machucar você, ou fazer parecido como que você viveu, você já responde na mesma moeda. Só que, na verdade, nem precisava ser assim e às vezes esse tipo de atitude vai definir que caminho a gente vai tomar.

Em I Pedro lemos um conselho para as mulheres daquela época, que o adorno delas não fosse o exterior, joias, frisados de cabelo, costura de vestidos, mas o incorruptível traje de um espírito manso e tranquilo (I Pedro 3. 1-3). Ele disse que esse tipo de veste de espírito é de grande valia diante de Deus. Com tanta coisa que ele poderia dizer, ele fala que sempre a mulher deve trajar mansidão e não temer nenhum espanto.

Me parece que é uma tentação para mulher não ser mansa. Ser mansa não é ser besta, ser mansa não é ser lesada, ou idiota, ou abestalhada, tapete para todo mundo pisar; ser mansa não é dizer sim e amém para tudo, mas é saber discordar graciosamente, discordar sem criar uma confusão, sem ter que provar que ninguém vai lhe pisar, não precisa disso.

Na verdade, as pessoas mais sábias, pessoas mais maduras espiritualmente, elas sabem ser ofendidas e ainda assim oferecer a outra face. Espírito Manso, tranquilo, é o que Deus espera de cada uma de nós.

Essa mulher Siro-fenícia soube oferecer esse espírito, é por isso que ela saiu com o que ela foi buscar. A coisa que aquela mulher queria não era ser elogiada na frente de todo mundo, nem que todos parassem e olhassem para ela sendo elogiada, mas foi. Ela alcançou o que foi buscar e ainda saiu com louvor, porque soube se posicionar bem, do jeito certo, na hora certa.

O que eu quero lhe dizer é que guarde seu coração para você se apresentar diante de Deus como uma mulher correta.

 

Compartilhe

Postagens Relacionadas

Noite de celebração com ministração inspiradora de Jannayna Albuquerque A perfeita vontade de Deus Culto do Espírito: Rendição diante do poder e da Palavra de Deus na terça (06) A Palavra aciona o poder Não revide! “Dê a outra face”, foi o recado de Jannayna Albuquerque neste domingo à noite Conversa franca entre pais e filhos Conversa franca com os filhos
Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Please type the characters of this captcha image in the input box

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada