X
Menu
X
Igreja Evangélica Verbo da Vida
Tambor - Campina Grande - PB

Valorizando o sacerdócio

Nesses os últimos dias vivemos uma vida muito corrida e agitada por causa do ativismo, muitas das vezes priorizamos mais o que fazemos e o que temos, do que o que somos. No entanto, o que somos está ligado e fundamentado, em quem Cristo nos tornou, e isto devemos considerar como algo muito, mais muito precioso, precisamos nos conscientizar que o que somos tem o proposito de evidenciar quem Ele É. Fomos criados por Deus a sua imagem e semelhança, mas o pecado por meio da própria escolha de Adão, o separou da vida de Deus, e se estendeu a toda humanidade, e o proposito de dominar, governar por meio da influência Divina (evidenciar a imagem e semelhança) para o qual o ser humano foi criado, foi interrompido por um determinado período. Pois no inicio antes da queda, o homem tinha livre acesso a presença de Deus não só na viração do dia, mas diariamente e constantemente, ou seja, em todo tempo, porque a proposta de Deus sempre foi por meio da humanidade, influenciar a terra com o céu, ou seja, ser revelado por meio do homem. Mas graças ao Sacrifício de Jesus, temos a oportunidade de entrar no Santo dos Santos diariamente, e também de nos revestir, do novo homem criado segundo Deus, em justiça e santidade procedentes da verdade, com a finalidade de manifestarmos de fato quem Deus É. Pois quem Ele nos tornou, nos possibilita refletir a Sua imagem aqui na terra por meio da Sua influência que recebemos na comunhão com Seu Espírito!

Na primeira carta escrita por Pedro no capítulo 2 verso 5, está escrito que fomos estabelecidos Casa Espiritual (Ele habita em nós) com o propósito de sermos “Sacerdócio Santo” e também no verso 9 nos afirma que “somos Sacerdócio Real”, e isto para nós é um privilégio. É bem verdade que ao nascer de novo, recebemos a abundância da graça e dom da justiça para Reinarmos em vida, Reinar significa exercer autoridade, governar, exercer poder real, exercer a mais alta influência, de fato é ser rei por meio de Jesus Cristo, é manifestar o propósito para o qual o homem foi criado. Contudo a manifestação da nossa vida como rei, precisa esta respaldada por nosso estilo de vida de “Sacerdócio – comunhão diária e contínua com nosso Pai”, apresentando sempre o nosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Ele. Pois não é só porque Deus falou que vai haver a manifestação da Sua vontade em nossa vida, porém entre o que está escrito e a sua manifestação, existe a parte que nos cabe. Creio intensamente no poder que há no nome de Jesus para responder a qualquer necessidade que tivermos, e ou exercermos a autoridade que temos nesse nome, mas ainda assim depende de um relacionamento com Deus, pois se não fosse assim, os sete filhos de Ceva não tinham passado vergonha ao tentar expulsar um demônio como relata Atos capítulo 19. Na Velha Aliança, Israel que era o povo querido por Deus naquela época, dominava e exercia autoridade sobre outras nações inimigas, quando o Sacerdote desempenhava bem a sua função, que era estar ocupado com ritos sagrados e apresentar a Deus sacrifícios por ele e pelo o povo. Em 1 Samuel vemos o exemplo dos filhos de Eli, Hofni e Fineias que também eram sacerdotes, mas não desempenharam o sacerdócio como deveriam, eles juntamente com seu pai ocupavam posição de maior influência da nação, certamente de maior autoridade e governo, afinal Eli era juiz, pois como consequência do estilo de vida dos seus filhos, os Filisteus venceram os Israelitas. Hoje estamos vendo nossa nação, o Brasil, perecendo em meio à corrupção, um dos motivos é porque a igreja não tem desenvolvido com intensidade o seu papel de Sacerdócio Real, cujo, o qual é da nossa responsabilidade, ou seja, ter uma vida de comunhão e dedicação a Deus por meio da oração, e ter como resultado desse estilo de vida, manifestações de poder, domínio e influência do Espírito Santo, em nossa vida e em nossa nação, isto é exercer o nosso reinado!

Para desenvolvermos o Sacerdócio, devemos escolher a melhor parte, assim como Maria fez, como relata Lucas capítulo 10, ela escolheu ter comunhão com o Senhor, e isso envolve sacrificar (renunciar) coisas lícitas, e ás vezes se necessário for à comunhão com pessoas para estar a sós com Ele. Devemos também nutrir em nosso coração o mesmo desejo, a mesma motivação, que Moises teve em Êxodo capítulo 33, quando o Senhor fala para ele levar o povo a Terra prometida, ele diz ao Senhor: Se a tua presença não vai comigo não nos faça subir deste lugar. Esse texto nos revela que para Moises, a presença do Senhor era mais importante do que aquilo que o próprio Deus desejava proporcionar e queria que eles desfrutassem. É assim que devemos viver, amando mais o Senhor do que o que Ele pode nos proporcionar, só assim avançaremos como Sacerdotes! Existe uma diferença entre a presença disponível e a presença manifesta, pois o Pai estar disponível em nós, mas a manifestação da Sua presença depende da nossa intensidade e qualidade que damos para Ele. É tempo de valorizarmos e desenvolvermos o nosso Sacerdócio!

 

Edivan ministro

 

 

 

 

 

 

 

Edivan Biones (ministro)

Compartilhe

2 comentários em “Valorizando o sacerdócio

Brenno Aguiar comentou:

Amém, Van

Que possamos exercer de fato esse sacerdócio e termos como consequência o resultado que a Palavra nos garante reinando em vida.

Isaias Cunha Melo comentou:

Muito bom entendermos sobre a responsabilidade de sermos sacerdotes do Deus altíssimo.
Vamos praticar o que conhecemos.

Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *