X
Menu
X

O Reino de Deus e a rede

Série O Reino de Deus –o reino de Deus e a rede Parte I

|por Rodrigo Silva

O Reino de Deus é um assunto tão maravilhoso que cada cristão deveria se dedicar, pelo menos uma vez na vida, ao seu estudo. Sendo assim, tive a inspiração de escrever um pouco sobre ele, abordando aspectos práticos e doutrinários que o cercam. Enfim, espero que você seja edificado nessa série e que viva o reino de Deus de forma plena a fim de experimentar uma vida abundante.

Introdução

As redes sociais vieram para revolucionar o modo como as pessoas se comunicam. De fato, hoje é extremamente fácil encontrar pessoas que compartilham das mesmas ideias, pensamentos, ideologias e crenças que você tem. Contudo, há, nesse fenômeno, aspectos tanto positivos quanto negativos. Ou seja, se por um lado as pessoas se aproximaram por causa de pontos em comum, por outro elas estão se fechando em grupos cada vez mais homogêneos: as famosas “bolhas”.

Esses grupos podem tornam-se tão fechados ao ponto de  criar rivalidade com outros que pensam de forma diferente. Além disso, muitos crentes estão entrando nessa “onda” e não percebem que este aspecto de disputa não pertence ao reino de Deus.  Acabam brigando entre si, sem se darem conta de que estão vivendo sobre a influência desse mundo.

O Reino de Deus não é uma bolha

Orando por seus discípulos (João 17:15), o Senhor Jesus não pediu que eles fossem “tirados do mundo”, mas que fossem guardados do mal. A contenda é um tipo de mal que corrói relações e provoca sentimentos de inimizade e divisão. As bolhas da internet têm funcionado como um grande centro de contendas e brigas. Da mesma forma que o Senhor não queria que os discípulos saíssem do mundo, para que pudessem pregar o Evangelho, também não acredito que devemos sair da internet, pois quando bem utilizada, é de grande valia para o Reino. Devemos sair da bolha.

O Reino de Deus não é uma bolha de internet. Ele não deve se fechar hermeticamente dentro de si. Mas, o conjunto de valores do Reino devem influenciar os que estão de fora. As virtudes do reino devem ser evidenciadas também nas nossas redes sociais, e não somente dentro das quatro paredes das nossas igrejas. Assim como já dizia o apóstolo Paulo:

“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus. ” (1Coríntios 10:31)

Talvez, para alguns de nós, falte a consciência do que é o Reino e da sua importância.

A fundação do Reino

Quando Deus criou todas as coisas tinha em mente a fundação de um reino, no qual Ele governaria sobre o ser humano e este sobre toda a criação (Gênesis 1:26, Salmos 8:6). Isso é demonstrado pelo Senhor Jesus ao nos revelar que o reino “está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34).

Temos um pouco de dificuldade, em nossa época, para entendermos a questão do reino por vivermos em países onde o regime é democrático. Nossa mente tende a pensar em regimes monárquicos como cruéis e autoritários. Mas a verdade é que o caráter do reino depende do seu governante. Se ele é cruel e perverso o reino será terrível, mas se ele for justo e benevolente, o reino então será bom e justo para seus habitantes.

Em nosso caso, não estamos falando de um reino de homens, mas do reino de Deus, onde o governante é justo e bondoso. Não é difícil ser um súdito pois o Seu reino é um reino de justiça e equidade (Hebreus 1:8 ).

O reino de Deus não é discórdia

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.” ( Romanos 14:17 )

O apóstolo Paulo começa definindo o que o reino não é. Ao dizer que ele não é comida nem bebida, não significa que seus habitantes estão submetidos à escassez. A comida e a bebida aqui são um ponto de discórdia, que levava muitos crentes a uma disputa a respeito do que era ou não impuro. Assim, o Apóstolo está nos ensinando que o reino de Deus não é formado de discórdias, polêmicas ou discussões.

Entendendo melhor a questão

Só para exemplificar, poderíamos parafrasear este texto da seguinte forma, para entendermos melhor: porque o reino de Deus não é política, nem direita nem esquerda, nem times de futebol ou qualquer outra coisa que cause discórdia(…).

No Brasil, especialmente, temos vivido um tempo de acaloradas discussões a respeito de tudo. Como eu expliquei acima, as redes sociais viraram um local de extrema discórdia e ataques mútuos. Na época de Paulo havia uma disputa por causa do que era lícito comer ou não. Vejamos o que o apóstolo escreveu a esse respeito:

“Se, por causa de comida, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua comida, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu. ” (Romanos 14:15)

Poderíamos parafrasear de várias formas esse texto como nos exemplos abaixo:

Se, por causa de política, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua opinião política, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu.

Se, por causa de futebol, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa do seu time de futebol, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu.

Antes de mais nada, não quero aqui alterar o texto Sagrado, mas apenas te mostrar o cerne da questão abordada por Paulo: o reino de Deus não é um reino de discórdia. Enquanto nossas atitudes provocarem tristeza em nossos irmãos, não estaremos andando segundo o reino. Isso porque a base do reino de Deus é o amor, e qualquer atitude que esteja fora desse parâmetro é estranha ao reino.

O reino de Deus consiste no amor

Se há uma regra que está em vigência no Reino de Deus esta é a Lei do amor. Ele é a chave que nos impede de ofender as pessoas somente para afirmar nossa opinião. Desse modo, fica muito evidente a necessidade de andarmos no amor de Deus. Não é atoa que o apóstolo Paulo chama do Reino de Deus de o “Reino do filho do seu amor”(Colossenses 1:13). Ele deve ser a régua com a qual medimos das nossas atitudes e palavras.

Não digo com isso que não podemos ter nossas opiniões e participarmos ativamente da política, por exemplo. É até bom que isso aconteça, para que os valores do Reino sejam influenciadores das decisões políticas. Mas isso não deve ocorrer às custas da unidade do Corpo e da compaixão.

O amor de Deus será a base da nossa vida. Se você recebeu Jesus como Senhor, então esse amor já foi derramado no seu coração (Romanos 5:5). Você tem a capacidade de amar com o amor de Deus, basta praticá-lo.

O maior Amor de todos

“O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. ” (João 15:12-13)

Em resumo, amor do tipo de Deus é um amor de entrega. Isso significa que aquele que ama está disposto a dar sua própria vida. Essa é a expressão máxima desse amor. Mas acredito que o Senhor já ficará muito feliz se começarmos, por amor às pessoas, deixando de fazer valer a nossa opinião a todo custo.

Bem, por hoje é isso! Na semana que vem vou falar sobre a Justiça do Reino! Que Deus abençoe a sua vida!

Recomendações:

Compartilhe

Postagens Relacionadas

Igreja Verbo da Vida de Campo Grande e HEMORIO promovem Campanha de Doação  de Sangue Igreja promove minissérie “Abrindo os Olhos em Tempos de Crise” Compaixão mobiliza bairro de Campo Grande na Capital do RJ O poder sobre a cabeça, que desce para corpo Seminário de Verão – Ofício do Mestre A fé que opera pelo amor Lançando o medo fora O Amor nunca falha
Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.